staff.
links.
adwards.
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Aenean commodo ligula eget dolor. Aenean massa. Cum sociis natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Donec quam felis, ultricies nec, pellentesque eu, pretium quis, sem. Nulla consequat massa quis enim. Donec pede justo, fringilla vel, aliquet nec, vulputate eget, arcu. In enim justo, rhoncus ut, imperdiet a, venenatis vitae, justo. Nullam dictum felis eu pede mollis pretium. Integer tincidunt. Cras dapibus. Vivamus elementum semper nisi. Aenean vulputate eleifend tellus. Aenean leo ligula, porttitor eu, consequat vitae, eleifend ac, enim. Aliquam lorem ante, dapibus in, viverra quis, feugiat a, tellus. Phasellus viverra nulla ut metus varius laoreet. Quisque rutrum. Aenean imperdiet. Etiam ultricies nisi vel augue. Curabitur ullamcorper ultricies nisi. Nam eget dui. Etiam rhoncus. Maecenas tempus, tellus eget condimentum rhoncus, sem quam semper libero, sit amet adipiscing sem neque sed ipsum. Nam quam nunc, blandit vel, luctus pulvinar, hendrerit id, lorem. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus. Donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus. Nullam quis ante. Etiam sit amet orci eget eros faucibus tincidunt. Duis leo. Sed fringilla mauris sit amet nibh. Donec sodales sagittis magna. Sed consequat, leo eget bibendum sodales, augue velit cursus nunc,
GRANDMASTER
HUM4N
link#
link#
link#
link#
link#
link#
link#
link#
link#
link#
pues los premios

[Filler Simples] Olhos do Destino - Parte um

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Convidado
Convidado está


Mensagem por Convidado em Qua Nov 02, 2016 11:25 pm

Olhos do Destino
Parte 1

Idade de Maquiavel na História: 15 Anos

Era noite. O luar não podia ser visto, estava escondido covardemente sobre a neblina que, a essa altura, transformou – se no rei desse céu escuro e sem nuvens. O silêncio imperava, de maneira deliciosa e sutil. Os poucos ecos que poderiam ser ouvidos eram de animais pequenos, criaturas noturnas, que usam as sombras para caçar e sobreviver. A calmaria era nítida, quase assustadora para alguém como eu.
Meus olhos estavam capturados por palavras desenhadas em páginas grossas e com aroma arcaico. O livro que eu segurava era relativamente pesado, sua capa roçava na ponta de meus dedos de forma desconfortável e irritante. A leitura, por outro lado, era extremamente prazerosa e penetrante. A Arte das Ilusões, artigos densos e bem trabalhados sobre como o cérebro humano divide o real e o irreal.
Meus dedos suavemente passavam de página para página, absoltos na leitura que não se importava com o tempo ou espaço. A realidade se perderá por um fugaz instante enquanto eu lia as frases gravadas de forma concentrada e aprofundada. Era quase como um pequeno transe, minutos aonde apenas minha mente existia e nela, minhas analises aconteciam sobre tudo que eu via ou ouvia.
Mas, de maneira súbita, um barulho me trouxe mais uma vez para os ventos da realidade. Era um tom cortante, fazendo um eco constante que passeia por breves momentos pela extensão da sala onde eu estava. O cenário era branco em sua maioria, das paredes aos moveis de semblante confortável que o preenchia. O som se repetiu novamente, um pouco mais impaciente e inquietante na sua segunda vez. Era a companhia sendo tocada de forma aparentemente controlada e ponderada.
Levantei-me do sofá aconchegante do qual estava sentado, andando de maneira tímida e cautelosa. Abrir a porta sem cerimônia, a maçaneta estava particularmente gelada quando a girei de uma forma que esboçasse sutileza em meus movimentos. À medida que a porta era aberta, um semblante humanóide vinha tomando forma perante meus olhos. Aos poucos ficará claro do que se tratará.
Uma garota. Asami Yamato.
Perco bons segundos sendo fisgado pelos seus olhos donos de uma singularidade. Sua cor, profunda e única, é desenhada em um tom que freta com um violeta escuro misturado com retoques de um azul noturno. O sorriso é escrito em seus lábios de maneira sutil enquanto sua boca, minimamente acanhada e sem jeito, pensa sobre que palavras darem vida e quais devem ser esquecidas.
- Boa Noite, Maquiavel. Pronto para a noite de filmes?
Meu rosto permanece firme, sem nenhuma alteração visível. Algo que não gera estranheza por parte da jovem em minha frente.
- Perdoe – me, o compromisso fugiu de minha mente.
Ela riu de forma suave, deixando emanar sua naturalidade com a situação. Sua mão, de tom pálido, correu para tentar impedir a propagação de seu riso em vão. Ainda um pouco ofegante, seus lábios começaram a se mexer mais uma vez.
- Mesmo depois de anos, você ainda me trata com tanta formalidade?
O seu sorriso apareceu novamente, desta vez mais extrovertido e com leves toques de diversão.
- Desculpe – me, Asami. Por favor, entre.
Revirando os olhos a garota riu, respondendo em um tom de alegria misturado com sarcasmo:
- Noite de filmes com um garoto robô... Essa vai ser uma longa noite.
---
O eco era discreto, invisível para os ouvidos ordinários. Era o grito contido do bater de uma espada se aproximando em passos lentos e sem pressa. Sua respiração está contida, silenciosa como os ventos mudos dessa noite. Os olhos se encontram fixos em seu alvo, não admitindo nenhum vacilo de sua parte. Os lábios, já secos e com sede, sussurravam contos de terror e orgulho ausentes de qualquer pudor ou censura.
A imagem dele é bastante nítida em meus pensamentos. Um homem alto que ostenta sua armadura pateada por onde passa. Em suas mãos firmes, segurava uma lâmina afiada e cuidada com esmero pelo seu mestre. Os pés não se mantêm calados, cada nova pegada é um brando de sua armadura metálica esmurrando esse chão sem qualquer sinal de piedade ou remorso.
Ele não deseja ser discreto, por traz de sua enorme mascara de metal se encontra um olhar confiante, certo que voltará para casa com uma katana coberta de sangue. Apenas continua a caminhar, observando cada cômodo dessa casa com um semblante descontraído, ciente da vantagem que tanto possui ao seu alcance.
Estou ao escuro, o escutando com meus ouvidos em alerta. Apaguei as luzes de meu quarto em uma fraca tentativa de ganhar alguns segundos preciosos. Tudo que vejo agora é graças a esses olhos avermelhados que não temem as sombras e tão poucos são detidos por meras paredes de concreto. Em contra partida, respirando nervosamente, minha amiga se encontra aflita ao meu lado.
Seus olhos, expressivos, se misturam entre medo e coragem. Seu lábio calado não precisa se pronunciar, somente com seu olhar possa saber que a mesma não planeja se render sem luta. Seus dedos dançam de maneira sutil, segurando uma Kunai com firmeza e determinação apesar de tudo.
A porta abriu. A paz acabou e o inferno começou.
Fim da Pare Um

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Otsutsuki Hagoromo em Sex Nov 04, 2016 10:57 pm

Parabéns! Recompensa já com o evento dos prêmios dobrados - 900$, 14 pontos de eficiencia, 8 pontos de Jutsu e 20 pontos em um status a escolha

Passa a atualização em seu tópico!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum